Área Médica
Atendimento online via chat exclusivo para médicos
Fale Conosco
Rua Santa Clara, 240
Sorocaba/SP
TEL: (15) 3233-7925 / 3231-1614
contato@arteformulas.com.br

Notícias

Transtorno psiquiátricos devidos ao uso, abuso e dependência de substãncias

Transtorno psiquiátricos devidos ao uso, abuso e dependência de substancias


Dependência de drogas

As substancias que podem gerar dependência são: álcool etílico; anfetaminas (remédio para emagrecer, ecstasy); maconha e haxixe; cocaína e crack; alucinógenos (LSD, chá de cogumelos, chá de cogumelos, chá de lírio e outros); inalantes (cola de sapateiro, cola de aeromodelismo); opióides (opio, heroína, morfina, codeína); fenciclidina (conhecida como PCP ou “pó de anjo”); sedativos e hipnóticos (remédios para dormir) ou ansiolíticos.


Como reconhecer se há dependência?

Apesar de ter sintomas psíquicos e físicos que o prejudicam, o dependente continua a administrar a substancia. Movido pela “fissura” (forte impulso pela droga). Tal comportamento repetitivo leva:

Tolerância , isto é, a necessidade de aumentar a dose para obter o efeito desejado (cada grupo de drogas apresenta graus diferentes de tolerância).

Abstinência, isto é, alterações corporais, psíquicas e comportamentais quando diminuir a concentração da substancia no organismo de dependente. Para evitar o desconforto, o paciente tende a consumir a substancia novamente, perpetuando o processo.

Padrão de uso compulsivo da substancia, caracterizado por um consumo em quantidades maiores ou por um período mais longo do que o pretendido; tentativas frustadas de regular ou parar o uso da droga ou livra-se dos seus efeitos; atividades profissionais, sociais, (inclusive familiares) ou recreativas prejudicadas ou abandonadas em favor do uso da substancia (que pode ser realizado em segredo); manutenção do uso, apesar de o paciente reconhecer o prejuízo psicológico e/ou físico causado pela substancia. 


O que é abuso de substâncias? 

O abuso não deve ser confundido com o “uso”, “uso indevido” ou “uso perigoso”. O padrão mal-adaptativo causado pelo abuso da substancia traz consequência adversas recorrentes e importantes e os problemas devem ser repetir durante o período de um ano:

Uso recorrente da substancia, levando a fracasso no cumprimento de obrigações no trabalho, na escola ou e casa (por exemplo, faltas no emprego, faltas ou suspenções na escola, negligencia com os filhos ou afazeres doemsticos). 

Uso repetido da substancia em sitiaçoes nas quais representa um perigo para integridade física (por exemplo dirigir um veiculo em quando esta intoxicado)

Problemas legais recorrentes devidos ao uso da substancia.

Uso continuo da droga, apesar dos problemas sócias ou interpessoais causados por seus efeitos ( por exemplo, brigas com cônjuge e filhos ou discussões com pais )




Álcool etílico

O álcool é substancia licita mais usada em todo o mundo. Em algum período da vida experimentamos alguma bebida e, aproximadamente metade das pessoas que fazem, acaba por ter uma pu mais experiências ruins relacionadas ao consumo (por exemplo, faltar as aulas ou ao trabalho por conta de uma ressaca ou dirigir embriagado.) a maioria dos indivíduos usa tais experiências como aprendizado, de tal forma a moderar o consumo posterior.


Quais são os principais problemas causados pelo abuso ou dependência do álcool?

A longo prazo o álcool afeta todos os sistemas do organismo, especialmamlete o gastrointestinal, o cardiovascular e o sistema nervoso periférico.

No estomago pode causar gastrites e ulceras (gástrica ou duodenal); 15% daqueles que bebem pesadamente comprometem o pâncreas (pancreatite), o fígado (cirrose) e aumentam as taxas de câncer de esôfago e estomago.

No sistema cardiovascular, provoca com frequência hipertensão leve e, mais raramente, naqueles que bebem muito, miocardiopatia (enfraquecimento da musculatura do coração). Como o álcool aumenta os níveis de triglicérides e de colesterol (fração ruim do colesterol, a LDL) contribui também para aumentar o risco de cardiopatias.

Quanto ao sistema nervoso periférico, o uso prolongado do álcool pode provocar a fraqueza muscular, parestesias (sensações anormais) e sensibilidade diminuída nas pernas e braços (pés e mãos incluídos). 

No sistema nervoso central principalmente o alcoólatra tiver deficiência de vitaminas (especialmente de Tiamina, uma vitamina do gripo B), pode levar a déficit das funções do intelecto, comprometimento grave (por vezes irreversível) da memória e alterações degenerativas no cérebro. 

Quanto a parte metal além ada intoxicação aguda, podem ser induzidos pela ação do álcool no cérebro; perturbação aguda da consciência por abstinência (conhecida como delirium tremes), demência persistente, distúrbios persistentes de memória, psicose, transtornos do humor, da ansiedade, do sono e disfunção sexual. 

O alcoolismo é “tratável”? 

Existe uma noção equivocada de que o abuso e a dependência do álcool são intratáveis, isso é, o alcoólatra tem um história de muitos anos de “problemas graves” no trabalho, com a família e socialmente, ou o que quer que faça , vai acabar tendo uma recaída. Esses casos mais graves representam uma parcela pequena dos pacientes que abusa sistematicamente ou é dependente da substancia e as recaídas (retorno ao consumo após período de abstinência) ocorrem com mais frequência e mais precocemente nos pacientes sem suporte familiar.

Além do desejo do paciente parar de beber, o paciente precisa da ajuda familiar, isso é, do incentivo para se tratar e seguir as orientações do tratamento. Além do médico e da equipe que planejam a abordagem do paciente e o tratamento das complicações induzidas pelo álcool, as associações de ex-alcoolatras oferecem inestimável suporte para o paciente a família. Via de regra associações como alcoólatras anônimos tem reuniões separadas para alcoólatras (com ênfase na manutenção da abstinência) e paras suas famílias (com ênfase na melhor forma de lidar com o problema).


Anfetaminas 

O que são? 

As anfetaminas e substancias assemelhadas ( produzem o mesmo efeito, embora tenham estrutura química diferente) quando ingeridas, inaladas ou injetadas nas veias produzem sensação de “barato”, seguida de euforia. Maior vigor, afabilidade, hiperatividade, inquietação, hipervigilãncia, sensibilidade interpessoal, loquacidade, ansiedade, tensão, raiva e julgamento prejudicado. Sinais fiscos ocorrem no uso agido ou crônico: taquicardia ou bradicardia, arritmias cardíacas, dilatação das pupilas, pressão arterial elevada ou baixa, suores ou calafrios, náuseas ou vômitos, agitação ou retardamento motor, fraqueza muscular, convulsões e até coma.


Quase são as principais anfetaminas e substancias assemelhadas?

As principais são:

Inibidores do apetite (utilizadas nas dietas de emagrecimento, que podem ser ingeridos ou injetados)

Metilfenidato

Metanfetamina (conhecida como speed, tomada, injetada ou inalada, oi ice, a forma mais pura, que pode ser fumada).

Khat (extraído de palnta)

Cocaína ( inalada ou injetada)

Crack (fumado)


Quais são os transtornos induzidos pela anfetamina e cocaína?

A abstinência após o uso prolongado é uma das possibilidades, com sintomas de humor irritável, fadiga, insônia ou hiporsonia, sonhos vividos e desagradáveis apetite aumentado e retardo ou agitação motora.

Outros transtornos possíveis são: intoxicação, perturbação aguda da consciência (delirium), transtorno psicótico, do humor, da ansiedade, do sono e disfunção sexual. 


Cocaína 

Por que a pessoas que usam cocaína são compelidas a faze-lo repetidamente?

A cocaína tem efeitos euforizantes potentes e a dependência pode se desenvolver em curto espaço de tempo. Como a sua meia vida (tempo de duração dos efeitos) é de 30 a 50 minutos, o usuário necessita de doses frequentes para manter os efeitos. Dessa forma, a pessoa necessita de dinheiro para comparar a droga pode pedir adiantamento salarial ou ate se envolver em furtos, prostituição ou tráficos de drogas.

Com o uso repetido, desenvolve-se rapidamente a tolerância, com necessidade de doses cada vez maiores.


Quais são as formas de consumo da cocaína?

A cocaína é uma substancia natural, presente na planta da coca. A folha pode ser mascada, habito dos cultivadores da planta. A pasta da coca ( extrato bruto da planta, conhecido como basulca nos países produtores) é preparada com solventes, que causam efeitos tóxicos no sistema nervoso e em outras partes do corpo, quando fumada. O pó de cloridrato de cocaína pode ser cheirado ou dissolvido em agua e injetado nas veias. Quando misturada com heroína, recebe o nome de speedball.

O crack é um alcaloide extraído do pó de cloridrato de cocaína e misturado com bicarbonato de sódio; após a secagem, forma pequenas “pedras” que serão vaporizadas e inaladas com facilidade. Seu efeito é extremamente rápido. 


Maconha

Quais são as formas de uso?

A maconha é derivada da Planta Cannabis sativa, cujo princípio ativo principal age em todo o sistema nervoso. Os brotos e inflorescências da planta são cortados, secados e depois enrolados como cigarros ( chamados “ baseados”) e fumados. 

O haxixe é o exsudato resinoso encontrado no topo e nos lados das folhas da Cannabis, podendo ser fumado ou ingerido.

O Skank é a forma desidratada da maconha, usada como fumo.

O que varia em cada uma das substancias é o teor do princípio ativo, perceptível por usuários como mais alto ou mais baixo (e, portanto, com maior ou menor efeito no cérebro e no comportamento).


A maconha vicia?

A dependência da maconha caracteriza-se pelo uso compulsivo e muitas vezes diário ada substancia, com prejuízo nas atividades escolares, profissional, familiar e social. Poucos usuários crônicos referem tolerância (necessidade de doses maiores para obter o efeito desejado) e alguns referem sintomas de abstinência.

A dependência ocorre em 5% a 20% dos consumidores regulares, especialmente entre os 15 e 24 anos e é 2 vezes amais frequente no sexo masculino em relação ao feminino.


Há mais consequências no uso crônico?

A memória imediata (que fixa os acontecimentos) sofre prejuízo no uso agudo, mesmo de doses baixas. 

Com o uso crônico, os prejuízos sofridos pela memória se acentuam. Além disso, pode-se desenvolver uma síndrome amotivacional (perda na motivação para atividades do cotidiano) que se caracteriza por: diminuição da atividade, indiferença afetiva (tanto faz) e lentificação no pensamento.

Se o consumidor crônico se abstiver do uso de maconha por pelo menos 1 mês, tais sintomas tendem a desaparecer.


Alucinógenos

O que são?

São substancias que quando, ingerids, provocam efeitos físicos e psíquicos, vivenciados como “ intessantes”, mas com possibilidade de serem extremamamente desagradáveis.

Os feitos físicos incluem dilatação das pulpilas, visão turva, taquiacardia, palpitações, suores intensos, tremores e incoordenaçaõ.

Alterações psíquicas e comportamentais significativas incleuem ansiedade ou depressão, 

Acentuadas, sentir-se perseguido, medo de perder o juízo, prejuízo na capacidaded de julgamento ou no funcionamento escolar, profissional ou social. 

Um dos princiapis efeitos dos alucionogenos se faz sobre a percepção: untensificação  das percepções das cores, sosn, etc., despersonalização ( sensçaõ de estranhamento ou distanciamento de si próprio, as vezes com o sentimento de ser observado por si mesmo), desrealização ( sensação de estranheza diante do ambiente), ilusões, alucionações (geralemnete visuais), e sisnestesias ( espécie de fusão dos sentidos, em que se “ ouve a cor” ou se “vê o som”). Estas alterações ocorrem em estado de vigília, logo apaos o uso da substancia.


Quais são os alucinógenos mais usados?

A difusão do uso se deu na década de 1960, com o LSD (dietilamida de ácido lisérgico). São também usados: a semente de ipomeia, a mescalina, o STP, a psilocibina (proveniente do cogumelos), o DMT e, na atualidade, especialmente o ecstasy.

As primeiras experiências costumam ocorrer na adolescência ( uso 3 vezes mais comum no homem do que na mulher). Na continuidade do uso desenvolve-se a dependência, com tolerância rápida, para os efeitos euforizantes e psicodélicos, mais não apara os efeitos no sistema nervoso autônomo, como a dilatação das pupilas, hiper-refelxa ( resposta  exagerada dos reflexos periféricos), hipertensão arterial, hipertermia ( aumento da temperatura corporal, ereção dos pelos e taquicardia).

O padrão de uso dos dependentes costuma ser de algumas vezes por semana, devido da extensa duração dos efeitos da maioria dos alucinógenos. Há relatos de “fissura” (avidez pela droga) e o consumidor pode seguir usando alucinógenos, apesar dos efeitos adversos. 


Que transtornos podem ocorrer com o uso de alucinógenos?

Os mais comuns são:

“Mas viagens” (com grande ansiedade ou ataques de pânico)

Frashbacks, que são a reexperincia, sem que se tenha usado recentemente a substancia, de sensações vividas durante a intoxicação com o alucinógeno (alucinações visuais, lampejos coloridos, cores intensificadas, halos em torno de objetos, etc.), com sofrimento do indivíduo ou prejuízo no funcionamento escolar, profissional ou social. Os episódios podem ceder após vários meses ou durar por anos. 

Episódios de depressão ou mania induzidos pela droga.

Psicoses, com delírios e/ou alucinações. 


Fonte: 

SAUDE - ENTENDENDO AS DOENÇAS, KAUFFMAN, PAUL, HELITO, ALFREDO SALIM DE, Ano:  2007. Editora: NOBEL